::.. CARNAVAL 2004 - G.R.C.E.S. EXPLOSÃO DA ZONA NORTE................................
FICHA TÉCNICA
Data:  23/02/2004
Ordem de entrada:  1
Enredo:  Do Triângulo ao Esplendor
Carnavalesco:  não consta
Grupo:  3 - Leste
Classificação:  7º
Pontuação Total:  94,5
Nº de Componentes:  não consta
Nº de Alegorias :  não consta
Nº de Alas :  não consta
Presidente:  Nelson Gomes Ferreira Filho
Diretor de Carnaval:  não consta
Diretoria de Harmonia:  não consta
Mestre de Bateria:  não consta
Intérprete:  Góia, Paulão e Valdir
Coreógrafo da Comissão de Frente:  não consta
Rainha de Bateria:  não consta
Mestre-Sala:  não consta
Porta-bandeira:  não consta
SAMBA-DE-ENREDO

Compositores

Compositores: Biro-Biro/ Rafael/ Goia/ Paulão

 

Viajei na imaginação

Para este triangulo de esplendor

Da vila que tornou-se uma nação

Metrópole do amor

Lá vem o bonde, me leva

Pela rua da quitanda, eu vou

Olha o pescado quem vai querer

Provar da cachaça lá do engenho

É medicinal

E na rua direita eu vi

O bispo e seu cortejo oficial

 

Zona Norte vem ai, vem ver

Hoje o coro vai comer

Minha bateria faz estremecer

Vou enlouquecer

 

São Bento centro financeiro

Então da capital, entrou pra história

Seus tempos de glória

Teve seu papel

Em ti fez-se o primeiro arranha céu

Rua do Rosário a Senhora

Foi chamada imperatriz das procissões

Passeei de charretes, com belas mulheres

Curti os cafés, vi o tempo passar

São Paulo cresceu se modernizou

Esse trio ainda impulsiona a nação

E no metrô eu curto a sua evolução

 

O Luar, luar clareia

Neste enredo genial

Explosão da Zona Norte

Faz seu carnaval.

 

SINOPSE DO ENREDO
O Grêmio Recreativo
Autor: Nelson Gomes Ferreira Filho

 

SÃO BENTO, XV DE NOVEMBRO E DIREITA

As três ruas formavam de fato a figura geométrica de um triângulo. Daí lhes adveio a denominação Triângulo.

Nelas se havia concentrado o comércio mais fino e as agências e sedes dos maiores bancos. Foi assim vários decênios, mormente na década de 20, com cafés e casas de chá.

Às 5 horas da tarde convergiam as "melindrosas" e "almofadinhas". Na entrada do Jornal do Comércio, na Rua Direita, reuniam-se os intelectuais jovens do tempo para verem as elegantes desfilar. O bonde passava tilintando, pedindo passagem, gente entrava e saia do Grand-Hotel.

Rua da Quitanda: Por apresentar uma curva, a atual Rua da Quitanda, chamou-se antigamente "Rua do Cotovelo", era a rua preferida pelas quitandeiras (atuais camelôs) que ali vendiam peixes pescados no Parque Dom Pedro (Rio Tamanduateí) e frutas e hortaliças vindas da região da Rua da Glória, pois nesta época não existiam mercados.

Um pedaço da Rua da Quitanda era conhecido como Beco da Cachaça, pois ali vendia-se toda cachaça produzida nos engenhos inclusive para fins medicinais.

Rua Direita: Em 1700 esta rua chamava-se Rua Direita de Santo Antonio. Na Rua Direita estavam as melhores lojas, consultórios médicos, ali concentravam-se os habitantes mais ricos. Nesta rua foi realizado o 1º cortejo oficial da cidade em homenagem ao Bispo Dom Bernardo Rodrigues.

Rua São Bento: Tradicional rua paulistana, foi o primeiro centro financeiro da cidade de São Paulo, com os primeiros bancos: Banco Construtor e Agrícola de São Paulo, Banco dos Lavradores, Banco de Santos, British Bank of South American, instalou-se nesta rua o Grand-Hotel o mais luxuoso e tradicional da época, os palacetes de Álvares Penteado e Antonio Prado, o Departamento de Polícia Urbana, a primeira Botica (farmácia) da cidade e nesta rua foi construído o primeiro arranha-céu da cidade, o prédio Martinelli.

Rua XV de Novembro: Até 1846 era conhecida como Rua do Rosário dos Homens Pretos, em homenagem à Igreja de Nossa Senhora do Rosário que ficava no Largo do Rosário (atual praça Antonio Prado), depois passou a ser chamada de Rua Imperatriz e depois da Proclamação da República Rua XV de Novembro, na época abriga as melhores lojas de fazenda todas com nomes franceses, era a rua das procissões, por isso os sobrados eram super valorizados, pois tinham uma vista privilegiada das procissões.

Era a rua de maior animação da cidade, pois era percorrida pelos bondes, charretes e soberbos cavalos de raça, nela transitavam quotidianamente, intelectuais, acadêmicos, operários, jornalistas, políticos, viajantes e as belas mulheres da época. A primeira galeria da cidade, ligava a Rua XV de Novembro à Rua Boa Vista.

A Praça Antonio Prado que anteriormente chamava-se Largo do Rosário, que abrigava a Bolsa do Café que foi o elemento principal para o desenvolvimento da cidade.

A Rua do Tesouro, que abrigava a Intendência Municipal (atual Prefeitura) e a Rua do Comércio que era o ponto de encontro da imprensa.

Foi a influência do Triângulo Histórico (São Bento, Direita e XV de Novembro), que transformou uma pequena cidade nessa grande metrópole que hoje é a cidade de São Paulo, que é totalmente esplendorosa, com Metrô, industrias e edifícios magníficos.

Hoje o triângulo, continua a impulsionar a cidade e talvez até a nação, pois com sua galhardia, esplendor e enriquecimento cultural, abriga milhões de pessoas que transitam por suas ruas estreitas, cheias de camelôs (quitandeiras), bancários, executivos, office-boy, turistas e pessoas a procura de se dar bem na maior metrópole da América do Sul.

A Explosão, quer mostrar aos jurados e ao público um pouco da história viva de nossa cidade, queremos viajar da Vila de São Paulo ao Esplendor da Metrópole, capaz de impulsionar uma nação. Viaje neste enredo fascinante, ande de bonde, de charrete, vá de Metrô, divague na São Paulo romântica dos tempos do café, das senhoras e senhores até a Cidade que não pára, compre uma fruta na quitandeira e um CD no camelô.

 

FANTASIAS


No h contedo para este opo.



MAIS INFORMAÇÕES SOBRE G.R.C.E.S. EXPLOSÃO DA ZONA NORTE
HISTÓRIA | CARNAVAIS | HINO | CURIOSIDADES

 


:: SASP - SOCIEDADE DOS AMANTES DO SAMBA PAULISTA ::
WWW.CARNAVALPAULISTANO.COM.BR
SASP - UMA ENTIDADE COM DIFERENCIAL !!

Copyright ©2000-2016 | Todos os Direitos Reservados