::.. CARNAVAL 1996 - G.R.C.S.E.S. UNIDOS DE SÃO LUCAS................................
FICHA TÉCNICA
Data:  19/02/1996
Ordem de entrada:  7
Enredo:  Seu Nenê, o Águia da Central
Carnavalesco:  não consta
Grupo:  2
Classificação:  2º
Pontuação Total:  290,0
Nº de Componentes:  1200
Nº de Alegorias :  5,
Nº de Alas :  11
Presidente:  Marcos César Politi
Diretor de Carnaval:  não consta
Diretoria de Harmonia:  não consta
Mestre de Bateria:  não consta
Intérprete:  Vania, Valmir e Jorginho
Coreógrafo da Comissão de Frente:  não consta
Rainha de Bateria:  não consta
Mestre-Sala:  Marquinhos
Porta-bandeira:  Carla
SAMBA-DE-ENREDO
VERSÃO ESTÚDIO

UNIDOS DE VILA MARIA
COMPOSITORES: PLÍNIO/ VÂNIA CORDEIRO

 

SEO NENÊ NOS CONTE AGORA

HISTÓRIAS DOS ANTIGOS CARNAVAIS

COM PIERRÔS E COLOMBINAS

VILA ESPERANÇA, TEMPO BOM QUE NÃO VOLTA MAIS

MADRINHA TEREZA, QUITUTEIRA DE VALOR

UM PANDEIRO TOCA, AO ROMPER DA AURORA CLAREOU

 

CHACOALHANDO VEM O TREM DA CENTRAL

OS ACORDES TUDO BEM, QUE LEGAL

A TIRIRICA NO GINGADO É CAPOEIRA

NO LARGO DO PEIXE EU SAMBEI A NOITE INTEIRA

 

RITMISTA, BALUARTE DE TALENTO

COM MORAES SARMENTO ACOLHEU A GRANDE BAMBAS

NA SUA MORADA SURGIU

O QG DO NOSSO SAMBA

QUANDO O CACIQUE RODOU A BAIANA

VILA MATILDE PINTOU EM AQUARELA

 

NO RIO NENÊ BRILHOU

AO LADO DA PORTELA

 

OLHA AI GALERA

O QUE EU TROUXE PRA VOCÊ

NO BALANÇO DA BATERA

SÃO LUCAS EMBALADO COM NENÊ.

 

SINOPSE DO ENREDO
O Grêmio Recreativo
Autor: Marcos Eduardo Marques

 

INTRODUÇÃO

O tema conta um pouco da vida e a arte de Alberto Alves da Silva (Seo Nenê). Lembra suas raízes, sua participação na organização do samba de São Paulo e um pouco da Escola de Samba que leva o seu nome, GRES Nenê de Vila Matilde.

ENREDO

Em meados de 1927, na cidade de Palmira (hoje chamada de Santos Dumont) em Minas Gerais, o "Divino", num sopro de sua criação, plantou uma semente, "Alberto Alves da Silva". Como era um semente que só germina de acordo com o solo em que é plantada, na década de 30, chega a São Paulo, ainda garoto, a pessoa que mais tarde se transformaria em uma das mais importantes figuras do samba paulistano.

O negro, naquela época, já se organizava socialmente com a formação de alguns clubes e grupos. Surgiram então muitos Ranchos, Cordões e Blocos Carnavalescos, o que tornava mais fácil a integração entre as comunidades.

No Cordão Príncipe Negro da Penha, onde desfilou pela primeira vez, Seo Nenê, conhecido como Nenê do Pandeiro por já ser um excelente pandeirista desde os nove anos, participou do famoso Carnaval de Vila Esperança. Carnaval que deixa saudades, pois contava com grande participação popular.

Nele participaram, o Cinco de Julho, o Vila Matilde, Guarani, Estrela D'Alva, Clube Salas, Triângulo de Vila Matilde e Vasco de Vila Matilde entre outros.

Um Carnaval levado a sério, com muita alegria, muito respeito e dignidade entre os sambistas.

Em sua carreira de músico Seo Nenê, tocou em várias casas de espetáculos da época, fazendo aquela rota: norte, sul, leste, oeste, sempre nos trens da central e por isso ficou também conhecido como "Águia da Central".

Nos intervalos entre um trem e outro, inspirados pelo simples prazer de tocar música, o grupo de músicos ao qual pertencia, dava uma "canja" dos grandes sucessos da época.

Conta-se que muitas pessoas perdiam seus trens de propósito, só para ter a oportunidade de assistir estas apresentações.

"Era o início da catituagem no samba".

Como ao lado de um grande homem sempre existe uma grande mulher, Dona Maria Tereza, grande quituteira e madrinha de todos os sambistas, mostrou sua fibra de grande batalhadora e soube apoiá-lo em todos os momentos.

Com grande maestria, em sua moradia acolheu os grandes nomes do samba da época, transformando-a no quartel general das primeiras articulações para uma organização do samba.

Com Inocêncio Tobias, Pé Rachado, Madrinha Eunice, Seo Zezinho da Casa Verde e Bitucha o samba deu seus primeiros passos.

Enquanto isso, no Largo do Peixe em Vila Matilde, um grupo de pessoas atraídas por uma brincadeira de pernas "herdada da capoeira", chamada Tiririca, faz nascer em 1949 a "Escola de Samba Nenê de Vila Matilde", com uma bateria que até hoje é considerada como uma das melhores de São Paulo (Essa bateria já recebeu elogios até do poeta Vinícius de Moraes).

Para tornar mais saboroso este "fruto", foi convidada a grande Portela para ser madrinha da Agremiação, que por coincidência tem a águia como símbolo.

Mesmo discriminadas pela burguesia paulistana, como água aprisionada, lentamente as Escolas de Samba, Blocos e Cordões foram conquistando seu espaço.

Em 1966, Seo Nenê, então presidente da Coligação das Escolas de Samba, entrou em contato com Moraes Sarmento que comandava um programa de rádio, chamado "Almoço à Brasileira", a partir daí, conseguiu através de concursos realizados por empresas jornalísticas e emissoras de rádio, regulamentar o carnaval.

Conta Seo Nenê que a primeira verba recebida pelas escolas para se montar o carnaval era de quatorze contos de réis, e que se não fosse pelo apoio de Moraes Sarmento nada disto teria sido possível.

Em 1968, Escola de Samba em São Paulo já era realidade, despertando interesse nos poderes públicos em organizar patrocinando os concursos anuais.

Assim os baluartes do samba paulistano, na gestão do Prefeito Faria Lima regulamentaram os desfiles, separando as escolas por grupos.

A diretoria da Federação das Escolas de Samba e Cordões Carnavalescos, passa a ser composta por: Presidente: Moraes Sarmento - Vice: Leporaci; Secretário: Evaristo de Carvalho; 2º Secretário: Ramon Gomes Porton; Tesoureiro: Carlão do Peruche e 2º Tesoureiro: Seo Nenê. Mais tarde esta associação se funde com a UESP - União das Escolas de Samba de São Paulo, que incorporou também a Associação, presidida pelo Comandante Rocha e a Coligação, presidida por Inocêncio Tobias e Geraldo Filme.

Em 1972, os Cordões Camisa Verde e Branco, Fio de Ouro e Vai-Vai transformam-se em Escolas de Samba e o trabalho iniciado pelos baluartes é coroado.

Nesta época, a Escola de Samba Nenê de Vila Matilde já havia conquistado 09 títulos, sendo 02 vezes tricampeã.

Em 1985, a Nenê sagra-se campeã do carnaval de São Paulo e representa o samba paulista na Marquês de Sapucaí.

Hoje, sessenta anos após o início deste trabalho, Seo Nenê, lamenta a negligência dos atuais dirigentes do carnaval paulistano que não conseguem reconhecer o esforço desprendido pelos baluartes para oficialização do samba de São Paulo e, a verdadeira função das Escolas de Samba que é promover uma maior integração entre a comunidade e a cultura.

Estes dirigentes, confundem os valores e não respeitam mais os sambistas.

- "Esta arte que simboliza nossa liberdade de expressão, nossas raízes, nossa ginga, nosso ritmo, a beleza de nossa raça tem que ser valorizada, caso contrário, todo esforço terá sido inútil".

Fim do texto e início de um novo trabalho...

 

FANTASIAS


No h contedo para este opo.



MAIS INFORMAÇÕES SOBRE G.R.C.S.E.S. UNIDOS DE SÃO LUCAS
HISTÓRIA | CARNAVAIS | HINO | CURIOSIDADES

 


:: SASP - SOCIEDADE DOS AMANTES DO SAMBA PAULISTA ::
WWW.CARNAVALPAULISTANO.COM.BR
SASP - UMA ENTIDADE COM DIFERENCIAL !!

Copyright ©2000-2016 | Todos os Direitos Reservados